Circular – Bolsa de Estudos

Política de concessão de bolsa de estudos

Considerando o interesse em incentivar os estudos e a formação técnica ou profissional de seus funcionários, especialmente, através de oferecimento de condições que lhes permitam participar de cursos e atividades acadêmicas que propiciarão uma especialização singular para o desenvolvimento funcional ou técnico ou profissional, o 26º Tabelionato de Notas de São Paulo apresenta, neste documento, as diretrizes para a concessão de bolsa para auxiliar a sua participação em cursos e atividades acadêmicas.

Estes incentivos serão aplicados de acordo com as condições a seguir consideradas, que estão em vigor e podem sofrer aperfeiçoamentos.

1- A bolsa de estudo é concedida para aqueles funcionários que forem aprovados nos vestibulares dos cursos de direito, administração ou economia;

2- É destinada uma única vaga para os cursos não jurídicos;

3- São concedidas 6 bolsas no valor máximo mensal de R$ 500,00 (quinhentos reais);

4- Não será ultrapassando o limite total de R$ 3.000,00 (três mil reais) mensais de investimento pelo 26º Tabelionato de Notas de São Paulo para todas as bolsas concedidas;

5- Os valores constantes nos itens precedentes 3 e 4 serão reajustados no momento e pelo índice do reajuste de emolumentos;

6- Caso existam mais interessados do que bolsas disponíveis, o critério de desempate a ser utilizado é o seguinte, nesta ordem de prioridade:

  1. funcionário que estiver há mais tempo no 26º Tabelionato de Notas de São Paulo; ou
  2. funcionário que tiver filho(s); ou
  3. funcionário que tiver maior idade;

7- O funcionário deverá reembolsar integralmente o benefício ao tabelião após a conclusão do curso em parcelas de igual valor, obedecido o critério de reajuste de emolumentos indicado no item 5.

São Paulo, 11 de julho 2012

Paulo Roberto Gaiger Ferreira, tabelião